Durante retomada do Complexo do Alemão, Exército Brasileiro fez uso de Ataques Cibernéticos

Durante a Operação Arcanjo, no Complexo do Alemão, no Rio, o Exército lançou mão de um arsenal pouco conhecido de ações: desde operações de informações a ações psicológicas, guerra eletrônica cibernética e atividades de contrainteligência. É o que consta de dois trabalhos de militares sobre a operação, ocorrida de 2011 a 2012 no Alemão, durante 583 dias. A guerra de informações e cibernética contou com ações em redes sociais para desorientar os traficantes de drogas. Para ela, até o Centro de Informações do Exército (CIE) foi mobilizado. Seus agentes cuidaram do disque-denúncia, colhendo informações sobre os bandidos e analisando os dados obtidos com as patrulhas.
O modelo é descrito pelo Major Georgingtown Haullinson Farias e pelo Coronel Carlos Alberto de Lima em seus estudos sobre a atuação no Alemão. Segundo eles, “militares especializados no atendimento a denúncias” permitiram que o serviço fornecesse à área operacional informações precisas e seguras. O fluxo de informação para o disque-denúncia só começou a cair, segundo o coronel, quando o sexto contingente entrou no Alemão, e já estava sendo anunciada a substituição das Forças Armadas pela polícia.
“No Alemão era uma facção só. Na Maré eram quatro facções e nenhuma delas queria perder espaço. Os chefes saíram, mas deixaram os soldados lá dentro”, disse o chefe de operações conjuntas do Ministério da Defesa, general César Augusto Nardi de Souza. Durante a ocupação, os números de criminalidade caíram no Alemão e na Maré e alguns serviços públicos foram estabelecidos. Pesquisa feita pela ONG Redes da Maré com mil moradores de 18 a 69 anos, e divulgada em 2017, mostrou que, para 73,4% da população da região, a atuação da força de pacificação era ótima, boa ou regular. Só 25,4% desaprovavam a atuação dos militares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *