Operadora Veek dobra valor pago em recargas

“Você paga só pelo que realmente usa. Sem pegadinha. Sem texto de rodapé.” Essa é a promessa pública da operadora Veek, lançada em julho deste ano. Sem planos, a empresa oferece recargas parecidas com as dos pré-pagos, mas o dinheiro vira uma moeda virtual, chamada VeekCoin. Em recargas acima de 40 reais, o valor é dobrado–cada 20 VeekCoins equivalem a 1 GB de internet móvel. A estratégia da empresa se completa com a oferta de uso ilimitado do WhatsApp, tanto para mensagens quanto para ligações.

“Sempre oferecemos a melhor tarifa a todo momento. Quando temos ganhos de negociação, repassamos isso aos nossos clientes. O fato de ele usar o nosso serviço ele já está habilitado para isso. Não precisa fazer nada, esse é o nosso diferencial. O modelo de negócio das operadoras está baseado em você estar no plano errado”, afirmou Alberto Blanco, CEO da Veek. Blanco atuou por dez anos no mercado de telecomunicações no Brasil antes de empreender.

Além de repassar descontos, o modelo de negócios da operadora se baseia no atendimento ao cliente. Para isso, a empresa coloca seus funcionários, de todos os níveis, para atender clientes por duas horas por semana. “Sempre digo que queremos ser um Nubank das operadoras. Eles são uma grande inspiração”, disse o CEO da Veek.

O único modelo parecido com o da Veek atualmente disponível no mercado brasileiro é o Vivo Easy, que oferece pagamentos apenas pelo que você usa e, assim como a operadora digital, toda a contratação do serviço é feita via internet, sem precisar falar com ninguém. O chip da Veek é entregue em casa–um dos gargalos da empresa para crescer.

A cobertura de internet da empresa é fornecida com o uso da rede da operadora TIM, que tem a melhor oferta de 4G no mercado brasileiro atualmente, segundo o último relatório divulgado pela OpenSignal, que monitora velocidade e disponibilidade de internet móvel.

Com ticket médio de 30 reais mensais, a Veek já tem 40 mil chips ativos no mercado brasileiro e mais de 100 mil downloads dos seus aplicativos para Android e iPhone. A meta para o ano é atingir 200 mil instalações.

Fonte: EXAME

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *