TV digital: Rede TV! estréia alta definição no Rio

RIO – A emissora de televisão Rede TV! estréia nesta terça-feira as transmissões de sinais e programas em alta definição de TV digital no Rio de Janeiro. As operações com tecnologia de alta resolução foram oficializadas na noite desta terça-feira, em evento no Copacabana Palace, e contou com os executivos da emissora e autoridades locais.

As transmissões de TV em sinal digital começaram oficialmente em São Paulo, em dezembro de 2007. Após estrear na capital paulista, a Rede TV! iniciou suas operações em sinal HD digital em Belo Horizonte, Minas Gerais, na segunda-feira. Moradores do Rio que adquiriram conversores de TV digital – set top boxes capazes de decodificar o sinal em televisores analógicos – poderão sintonizar a emissora no canal 6.1.

Novo chip da IBM permitirá guardar 500 mil músicas em players de MP3 como iPod

EFE

SÃO FRANCISCO – Cientistas da IBM desenvolveram novo tipo de memória flash que permitirá guardar em aparelhos como telefones móveis e reprodutores de mp3 centenas de vezes mais informações que os atuais dispositivos comportam. Com o novo chip será possível que um reprodutor de mp3 como o iPod possa armazenar meio milhão de músicas ou 3.500 vídeos. Atualmente, o iPod com maior capacidade, o iPod Classic de 160 GB, permite guardar até 40 mil músicas. A novidade também deverá estar disponível para telefones celulares e outros aparelhos eletrônicos.

Num estudo publicado na última edição da revista Science, os cientistas explicaram que este chip usa menos energia, custa menos para ser produzido, funciona durante semanas sem precisar ser recarregado e é praticamente inquebrável porque não tem partes soltas.

Sua grande capacidade de armazenamento “abre a porta à criatividade para o desenvolvimento de acessórios e aplicativos que jamais se havia imaginado até agora”, disse Stuart Parkin, diretor do projeto.

Ele acrescentou que este dispositivo de memória “lê 16 bits de dados através de um único transistor”, o que o permite interpretar e escrever informações numa velocidade cem mil vezes mais rápida que as memórias flash utilizadas atualmente.

Chamada de ‘racetrack’, esta memória utiliza o movimento giratório dos elétrons para armazenar dados, uma tecnologia conhecida como “spintronics” e por cujo estudo os cientistas Albert Fert e Peter Grunberg ganharam no ano passado o prêmio Nobel de Física.

Os autores do estudo, publicado na revista “Science”, reconhecem que “racetrack” se encontra ainda em fase de desenvolvimento e que levará dois ou três anos para fabricar um protótipo. Contudo, eles estimam que os primeiros aparelhos com este tipo de memória chegue ao mercado em uma década.