Torpedo de celular pode ser ‘promovido’ a messenger em 2009

O resultado da parceria entre oito operadoras de telefonia móvel pode ser disponibilizado ao público brasileiro em meados de 2009, segundo a associação comercial global para a indústria móvel (GSMA, na sigla em inglês). Anunciado nesta segunda-feira (4), o acordo propõe a oferta nos telefones celulares de uma plataforma única de comunicação instantânea entre aparelhos de operadoras diferentes.
“Tecnicamente é possível que a iniciativa seja oferecida a partir de meados do ano que vem. Mas a estréia do serviço ainda depende de definições comerciais e técnicas, que serão feitas nos próximos meses”, afirmou ao G1 a portuguesa Ana Tavares, diretora de iniciativas estratégicas da GSMA.
Na prática, explicou Ana, essa novidade levará as funcionalidades de mensageiros instantâneos aos celulares dos brasileiros. “É a evolução dos torpedos, que ainda não oferecem uma comunicação em tempo real. Com a iniciativa, as mensagens serão enviadas e recebidas de maneira imediata, será possível acessar o histórico de conversação e também usar indicadores de presença”, disse a diretora.

Interoperabilidade

Já existem atualmente comunicadores voltados aos telefones móveis, como o Nimbuzz. No entanto, essa iniciativa permite que todos os clientes de todas as operadoras se comuniquem, deixando de lado limitações da troca de mensagens (como, por exemplo, a incompatibilidade entre aplicativos).
Os usuários não precisarão criar identidades para usar o serviço: seu próprio número de telefone será suficiente para conversar via texto com clientes da sua ou de outras operadoras. Fazendo uma comparação com os mensageiros de computador, não será necessário saber se aquela pessoa usa determinado messenger (o Google Talk ou o MSN, por exemplo) e descobrir sua identidade por lá. Basta ter o número de telefone da pessoa, para estabelecer a conversa instantânea de texto.
Essa plataforma de comunicação poderá já vir instalada nos novos aparelhos ou baixada depois da aquisição dos telefones. O modelo de cobrança do serviço no Brasil ainda não foi definido e ficará a cargo das operadoras, segundo a GSMA. Na Índia, onde a iniciativa já foi colocada em prática, as operadoras cobram por mensagem enviada ou por uma assinatura mensal, que dá acesso ilimitado ao serviço.
Fazem parte da iniciativa Vivo, TIM Brasil, Claro, Oi, Brasil Telecom, Sercomtel,
Nextel Brasil e CTBC Brasil. Com o acordo, diz a GSMA, mais de 130 milhões de assinantes serão capazes de trocar mensagens instantâneas no Brasil, criando assim uma das maiores comunidades móveis desse tipo de comunicação na América Latina e uma das maiores do mundo.

 

Fonte: G1

EUA terão sistema de emergência por SMS

Em breve o povo americano, ainda assustado com atentados terroristas, poderão utilizar as mensagens SMS para outros fins além de bater papo, podendo, inclusive, ser avisado sobre novos ataques e desastres naturais.

O sistema funcionaria em todo o país, anuncia a FCC (Federal Communications Commission) no site IntoMobile.

Provedores de internet sem fio também poderiam participar do programa, que inclui avisos de desastres naturais, ataques ou atividades terroristas, a até mesmo seqüestro de crianças, serviços que serão opcionais aos usuários, conforme noticiou o Engadget Mobile. Os assinantes poderão escolher receber as mensagens de acordo com seu plano telefônico, e as operadoras poderiam ter que fornecer sinais de alerta tanto vibratórios como em formato de áudio, para atender a todo tipo de pessoa.

As mais famosas empresas de celular dos Estados Unidos, como Sprint, T-Mobile, Verizon e AT&T anunciaram sua participação no programa assim que aprovado oficialmente pela FCC, relatou o site da CNN.

Uma agência federal, ainda a ser escolhida, prepararia as mensagens que seriam enviadas às companhias de telefone, disse o porta-voz da FCC. Uma vez eleita a agência, todas as operadoras deverão se adequar ao sistema em até 10 meses.

Fonte: Geek